Pular para o conteúdo principal

Sentença - ausentes os pressupostos da responsabilidade civil.Atropelamento.

Feito 3068/2009. VISTOS, etc. ESPEDITA ENEAS DA COSTA, ERIQUI ENÉAS SOUZA e JULIANA ENÉAS SOUZA moveu ação de indenização em face de ANTONIO JOSÉ RAMOS, qualificados, alegando que são esposa e filhos de Antonio Braga Souza, falecido em virtude de atropelamento ocasionado pelo requerido. Aduzem que, segundo testemunhas, o falecido caminhava pelo acostamento quando fora abruptamente atingido pelo veículo conduzido pelo requerido, que vinha em alta velocidade; que sua negligência e imprudência trouxe-lhes conseqüências drásticas, pois a vítima era quem unicamente provia o sustento para a família. Requer a condenação do réu à indenização por danos materiais/pensão mensal, no valor de R$ 194.400,00 e; por danos morais, no valor de R$ 139.500,00; custas e honorários. Deu-se à causa o valor de R$ 333.900,00, juntando documentos. O requerido apresentou contestação (fls. 64 e ss.), legando que o evento se deu por culpa exclusiva da vítima, que atravessou a pista em momento inoportuno e de forma repentina, enquanto trafegava pela faixa de rolamento, em velocidade permitida; que até mesmo tentou desviar-se da vítima, vindo a atingir terceiro veículo, não havendo hipótese de atingi-la no acostamento, conforme alegado pelos autores. Aduz por fim que, não demonstrada a culpa, ausente o dever de indenizar. Impugna o pedido de pensão mensal, eis que não há comprovação de trabalho remunerado da vítima, bem como o valor requerido a título de indenização moral, eis que desproporcional às condições financeiras das partes, as lesões sofridas, conseqüências, a necessidade dos autores e a possibilidade do réu. Houve réplica (fls. 89 e ss.). Instados a especificarem provas, as partes requereram a oitiva de testemunhas, arrolando-as. RELATEI. DECIDO. Julgo antecipadamente o feito, eis que dispensa a produção de provas em audiência (Art. 330, I, do Código do Processo Civil). É desnecessária a designação de audiência neste feito, visto que a apuração da culpa do réu, bem como a oitiva das testemunhas presenciais para compreensão da dinâmica do acidente já se deram no respectivo inquérito penal. As declarações prestadas na delegacia, por ocasião dos fatos, guardam autenticidade suficiente, o que deve prevalecer em face de depoimentos de pessoas que não presenciaram os fatos, e que ouviram falar do ocorrido. Note-se que houve arquivamento do inquérito policial, não vislumbrando, o representante do Ministério Público, dolo ou culpa na conduta do requerido. Note-se que terceiro totalmente estranho ao requerido e que trafegava na mesma via, por ocasião dos fatos, prestou declaração na fase policial que bem esclareceu a dinâmica do acidente. Narra que trafegava pela Rodovia Guarulhos Nazaré, quando foi surpreendido por um veículo marca VW, modelo Fox, que adentrou em sua mão de direção, atropelando um indivíduo que atravessava a via. A versão é compatível com a versão apresentada pelo réu, de que a vítima atravessou a via repentinamente, sem que houvesse tempo de frear, o que fez com que o réu jogasse o seu carro na direção contrária. A coautora ESPEDITA, em suas declarações na delegacia, admitiu que seu companheiro costumava freqüentar bares da região.Mencionou outras testemunhas que teriam dito que o veículo do réu trafegava com alta velocidade, mas não soube especificar o nome delas, razão pela qual elas não foram ouvidas por ocasião do inquérito. Assim sendo, deve prevalecer a versão tomada pelo representante do Ministério Público, quando promoveu o arquivamento, no sentido de que não há indícios de culpa em relação a ANTONIO José. Ao que pareceu, inclusive, o acidente teria ocorrido por culpa exclusiva da vítima. As fotos do local que acompanharam a inicial corroboram ainda mais tal entendimento, já que se trata de via larga, e que possui local apropriado para o tráfego de pedestres. Afastada a tese de que houve conduta ilícita do réu, não há que se falar em sua obrigação de indenizar, porque ausentes os pressupostos da responsabilidade civil. Note-se que, ainda que assim não se entendesse, a autora pretende a indenização na forma de pensão mensal, mas não demonstrou minimamente que os autores dependiam financeiramente do réu, havendo completa indefinição a respeito da profissão da vítima. Também não foram comprovados os danos materiais, o que torna inviabiliza o deferimento do pedido. Ante o exposto, JULGO IMPROCEDENTE a presente ação movida por ESPEDITA ENEAS DA COSTA, ERIQUI ENÉAS SOUZA e JULIANA ENÉAS SOUZA em face de ANTONIO JOSÉ RAMOS. Sucumbentes, o autores arcarão com custas processuais e honorários advocatícios que fixo em 10% sobre o valor da causa, tudo nos termos do artigo 12 da Lei 1060/50. P.R.I. Guarulhos, 12 de julho de 2010. MÁRCIA BLANES JUÍZA DE DIREITO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Renúncia por parte do segurado não isenta causador do dano de ressarcir seguradora.

A seguradora tem o direito de ser ressarcida das despesas com o reparo de automóvel segurado, mesmo que a proprietária do veículo tenha assinado e entregue ao causador do dano um documento em que renuncia a qualquer indenização futura relacionada ao acidente de trânsito. 

Esse foi o entendimento da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ao julgar recurso interposto por uma empresa de ônibus, inconformada com a ação de regresso movida contra ela pela seguradora. 
No caso, a proprietária do automóvel segurado envolveu-se em acidente ocasionado por motorista de transporte coletivo. Na ocasião, a dona do veículo firmou documento em que renunciou ao direito de pedir reparação futura. 


Processada pela seguradora, a empresa de ônibus alegou que não haveria possibilidade de ação de regresso, uma vez que a proprietária do veículo segurado renunciara expressamente ao direito de pleitear qualquer indenização contra a transportadora ou contra o condutor do ônibus. 
Sub-rogação legal 
De …

Demora na notificação do sinistro não acarreta perda do seguro de forma automática.

Em decisão unânime, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou o recurso de uma seguradora contra decisão que determinou o pagamento de indenização por roubo de automóvel que só foi comunicado três dias depois.

O caso aconteceu em São Paulo, após o anúncio da venda do carro pela internet. Um assaltante, apresentando-se como interessado no veículo, rendeu o proprietário, anunciou o roubo e fez ameaças de que voltaria para matar a família do vendedor caso ele acionasse a polícia.

De acordo com o processo, o proprietário do veículo, temendo represálias, retirou a família de casa, para só então fazer o boletim de ocorrência do assalto, o que levou três dias. Ao acionar o seguro, entretanto, foi surpreendido com a negativa da indenização.

Para a seguradora, houve a perda do direito à indenização por descumprimento da norma do artigo 771 do Código Civil, que impõe a ciência imediata do fato ao segurador, a fim de que possa tomar as providências cabíveis para minorar as co…

Condenado por atropelamento doloso tem prazo de proibição para dirigir aumentado.

A 4ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve sentença de condenado por homicídio após atropelamento doloso. Na decisão, proferida na última quarta-feira (22), os desembargadores impuseram o aumento do prazo da suspensão de sua habilitação para dirigir veículo automotor, que deverá perdurar pelo mesmo período da condenação. 
De acordo com os autos, o réu foi condenado à pena de 16 anos de reclusão, em regime inicial fechado, além ter sua carteira de habilitação suspensa pelo prazo de 6 meses (nos termos do artigo 293 do Código de Trânsito Brasileiro), por ter atropelado intencionalmente a vítima em razão de desentendimentos anteriores. Ambas as partes recorreram. A defesa do réu pleiteava sua absolvição e a Promotoria, o aumento do prazo de inabilitação para dirigir, conforme previsão do artigo 92, III, do Código Penal.
Ao julgar o pedido, o desembargador Edison Brandão afirmou que o Conselho de Sentença decidiu com base nas provas apresentadas em plenári…