Pular para o conteúdo principal

Seguros contra aborrecimentos – Seguro de Automóveis

Contratado por três em cada dez proprietários de veículos, esse tipo de seguro tem baixo índice de reclamações. Quando elas ocorrem, geralmente estão relacionadas ao prazo de indenização, que deve ser de trinta dias a partir da apresentação dos documentos solicitados.


AO QUE FICAR ATENTO


Uma pesquisa recente feita pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor aponta 70% dos segurados não sabem o valor de cobertura de seu plano para danos causados a terceiros. Não dar atenção a esse detalhe pode resultar em um belo prejuízo,se, por exemplo, o alvo do sinistro for um carrão de luxo.

Desde 2004, quando a Superintendência de Seguros Privados (Susep) sugeriu que, além de roubo, incêndio e colisão, os planos passassem a cobrir danos causados por catástrofes naturais, como enchentes, algumas seguradoras incluíram esse risco no plano básico de seguros.

Frise-se: algumas. ”Quando a apólice não inclui expressamente a cobertura contra enchentes, nem adianta reclamar”, alerta Alexandre Penner diretor da Susep.

Como o cálculo do valor do seguro de um veículo leva em conta o perfil do segurado, alguns tendem a mudar os fatos na tentativa de economizar nas mensalidades. Trata-se de um erro grave. Se o cliente deixa o carro na rua, mas diz que ele passa a noite em um estacionamento, corre o risco de perder a totalidade do seguro em caso de sinistro.

Dizer a verdade, nesse caso, torna a apólice cerca de 10 % mais cara – mas pode poupar muita dor de cabeça.


Comentário: É importante, além de saber o valor de cobertura de seu plano para danos causados a terceiros, verificar se há cobertura para danos morais. A maioria das apólices não tem essa cobertura e por se tratar de opcional, o segurado deve solicitar ao corretor a inclusão. Graziela Vellasco



Fonte – Revista Veja - edição 2205- ano 44 – n.º 8

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Renúncia por parte do segurado não isenta causador do dano de ressarcir seguradora.

A seguradora tem o direito de ser ressarcida das despesas com o reparo de automóvel segurado, mesmo que a proprietária do veículo tenha assinado e entregue ao causador do dano um documento em que renuncia a qualquer indenização futura relacionada ao acidente de trânsito. 

Esse foi o entendimento da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ao julgar recurso interposto por uma empresa de ônibus, inconformada com a ação de regresso movida contra ela pela seguradora. 
No caso, a proprietária do automóvel segurado envolveu-se em acidente ocasionado por motorista de transporte coletivo. Na ocasião, a dona do veículo firmou documento em que renunciou ao direito de pedir reparação futura. 


Processada pela seguradora, a empresa de ônibus alegou que não haveria possibilidade de ação de regresso, uma vez que a proprietária do veículo segurado renunciara expressamente ao direito de pleitear qualquer indenização contra a transportadora ou contra o condutor do ônibus. 
Sub-rogação legal 
De …

Demora na notificação do sinistro não acarreta perda do seguro de forma automática.

Em decisão unânime, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou o recurso de uma seguradora contra decisão que determinou o pagamento de indenização por roubo de automóvel que só foi comunicado três dias depois.

O caso aconteceu em São Paulo, após o anúncio da venda do carro pela internet. Um assaltante, apresentando-se como interessado no veículo, rendeu o proprietário, anunciou o roubo e fez ameaças de que voltaria para matar a família do vendedor caso ele acionasse a polícia.

De acordo com o processo, o proprietário do veículo, temendo represálias, retirou a família de casa, para só então fazer o boletim de ocorrência do assalto, o que levou três dias. Ao acionar o seguro, entretanto, foi surpreendido com a negativa da indenização.

Para a seguradora, houve a perda do direito à indenização por descumprimento da norma do artigo 771 do Código Civil, que impõe a ciência imediata do fato ao segurador, a fim de que possa tomar as providências cabíveis para minorar as co…

Condenado por atropelamento doloso tem prazo de proibição para dirigir aumentado.

A 4ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve sentença de condenado por homicídio após atropelamento doloso. Na decisão, proferida na última quarta-feira (22), os desembargadores impuseram o aumento do prazo da suspensão de sua habilitação para dirigir veículo automotor, que deverá perdurar pelo mesmo período da condenação. 
De acordo com os autos, o réu foi condenado à pena de 16 anos de reclusão, em regime inicial fechado, além ter sua carteira de habilitação suspensa pelo prazo de 6 meses (nos termos do artigo 293 do Código de Trânsito Brasileiro), por ter atropelado intencionalmente a vítima em razão de desentendimentos anteriores. Ambas as partes recorreram. A defesa do réu pleiteava sua absolvição e a Promotoria, o aumento do prazo de inabilitação para dirigir, conforme previsão do artigo 92, III, do Código Penal.
Ao julgar o pedido, o desembargador Edison Brandão afirmou que o Conselho de Sentença decidiu com base nas provas apresentadas em plenári…