Pular para o conteúdo principal

DPVAT - Um seguro pouco conhecido.

Muitos brasileiros, na maioria donos de carros mais velhos, não pagam DPVAT. Deveriam. Ele banca a indenização da maioria das vítimas de acidentes
Todo mundo deveria pagar o DPVAT, o seguro obrigatório de veículos, que vem junto com o IPVA para ser quitado em janeiro de cada ano.
Infelizmente, esta não é a regra. Milhares de brasileiros, na maioria proprietários de carros mais velhos, não pagam nem o imposto, nem o seguro. O resultado é uma arrecadação menor, que não tem a contrapartida do lado dos sinistros. Estes continuam subindo, o que está absolutamente de acordo com a realidade nacional, no momento em que a frota circulando pelas ruas e estradas bate recorde atrás de recorde.
O DPVAT este ano teve um aumento de preço bem acima da inflação, sem que houvesse a correspondente elevação dos valores das indenizações. O duro é que o mecanismo está correto.
A imensa maioria dos seguros se baseia num princípio chamado mutualismo, que é a constituição de um grande fundo, composto pelos prêmios pagos pelos segurados e administrado pela seguradora, com a função básica de pagar as indenizações dos sinistros cobertos e as demais despesas decorrentes da operação.
No caso do DPVAT, apenas 44% do total do faturamento é destinado ao pagamento das vítimas dos acidentes de trânsito. 45% são repassados ao SUS, por força de lei, o que torna inútil a discussão. 5% são encaminhados aos DENATRAN para investir em programas de prevenção de acidentes e educação no trânsito. 4% cobrem os encargos operacionais. E 2% é a margem de resultado das seguradoras.
Ao longo de 2010 a Seguradora Líder do Consórcio DPVAT destinou R$ 2,29 bilhões de reais para pagar sinistros. Este número representou um aumento de R$ 261 milhões de reais, ou praticamente 10%, em relação a 2009.
Em função da destinação do faturamento do seguro, para que as indenizações possam continuar sendo pagas, sem afetar o mútuo, era necessário o reajuste dos preços do seguro, especialmente para automóveis e motos.
O valor atual da indenização por morte é de R$ 13,5 reais. Para alguém da classe média alta, pode parecer pouco, mas para a imensa maioria dos brasileiros é mais de 12 vezes o salário mensal, ou mais ou menos 24 vezes o valor pretendido pelo governo para o novo salário mínimo. Vale lembrar que o seguro de vida dado pelas empresas para seus funcionários normalmente mantém este patamar como valor das indenizações.
Então, não é verdade que a indenização do DPVAT é baixa. Por outro lado, é verdade que seu preço é relativamente alto, mas as razões para isso estão explicadas acima.
O que é apavorante é a ordem de grandeza das vítimas do trânsito brasileiro e mais apavorante ainda, a curva de acidentados. Em 2010 o seguro pagou 50.780 indenizações por morte. Como nem todos buscam esta indenização, não é exagerado dizer que o Brasil tem anualmente perto de 60 mil mortes causadas pelo trânsito. Além delas, foram pagas 151.558 indenizações por invalidez permanente e 50 mil reembolsos de despesas médico-hospitalares.
Em outras palavras, o trânsito nacional, com 252 mil indenizações pagas pelo seguro obrigatório, a imensa maioria por morte e invalidez permanente, é uma das mais eficientes máquinas de ceifar vidas e destruir sonhos à disposição da sociedade.
Mas ainda há mais um dado trágico. As motocicletas representam apenas 26,4% da frota nacional. Todavia, mais de 60% das indenizações do DPVAT foram pagas para vítimas de acidentes envolvendo motos. E mais de 68% das pessoas que receberam indenização por invalidez permanente estavam envolvidas neste tipo de evento. Nos acidentes de moto, praticamente 70% das vítimas são os próprios motociclistas, mas não necessariamente os motoboys.
Como se vê, o quadro do trânsito nacional, com base na radiografia dos números pagos pelo seguro encarregado de minimizar as perdas e o sofrimento das vítimas e seus dependentes, é dramático. O mais cruel é que a curva é ascendente. Sem investimentos sérios na qualidade das ruas e estradas, na fiscalização e, acima de tudo, na educação da população o Brasil manterá por muitos anos o título de um dos campeões mundiais de vítimas de trânsito. 

Fonte.: O Estado de S. Paulo  - Economia 
Antonio Penteado Mendonça


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Renúncia por parte do segurado não isenta causador do dano de ressarcir seguradora.

A seguradora tem o direito de ser ressarcida das despesas com o reparo de automóvel segurado, mesmo que a proprietária do veículo tenha assinado e entregue ao causador do dano um documento em que renuncia a qualquer indenização futura relacionada ao acidente de trânsito. 

Esse foi o entendimento da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ao julgar recurso interposto por uma empresa de ônibus, inconformada com a ação de regresso movida contra ela pela seguradora. 
No caso, a proprietária do automóvel segurado envolveu-se em acidente ocasionado por motorista de transporte coletivo. Na ocasião, a dona do veículo firmou documento em que renunciou ao direito de pedir reparação futura. 


Processada pela seguradora, a empresa de ônibus alegou que não haveria possibilidade de ação de regresso, uma vez que a proprietária do veículo segurado renunciara expressamente ao direito de pleitear qualquer indenização contra a transportadora ou contra o condutor do ônibus. 
Sub-rogação legal 
De …

Demora na notificação do sinistro não acarreta perda do seguro de forma automática.

Em decisão unânime, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou o recurso de uma seguradora contra decisão que determinou o pagamento de indenização por roubo de automóvel que só foi comunicado três dias depois.

O caso aconteceu em São Paulo, após o anúncio da venda do carro pela internet. Um assaltante, apresentando-se como interessado no veículo, rendeu o proprietário, anunciou o roubo e fez ameaças de que voltaria para matar a família do vendedor caso ele acionasse a polícia.

De acordo com o processo, o proprietário do veículo, temendo represálias, retirou a família de casa, para só então fazer o boletim de ocorrência do assalto, o que levou três dias. Ao acionar o seguro, entretanto, foi surpreendido com a negativa da indenização.

Para a seguradora, houve a perda do direito à indenização por descumprimento da norma do artigo 771 do Código Civil, que impõe a ciência imediata do fato ao segurador, a fim de que possa tomar as providências cabíveis para minorar as co…

Condenado por atropelamento doloso tem prazo de proibição para dirigir aumentado.

A 4ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve sentença de condenado por homicídio após atropelamento doloso. Na decisão, proferida na última quarta-feira (22), os desembargadores impuseram o aumento do prazo da suspensão de sua habilitação para dirigir veículo automotor, que deverá perdurar pelo mesmo período da condenação. 
De acordo com os autos, o réu foi condenado à pena de 16 anos de reclusão, em regime inicial fechado, além ter sua carteira de habilitação suspensa pelo prazo de 6 meses (nos termos do artigo 293 do Código de Trânsito Brasileiro), por ter atropelado intencionalmente a vítima em razão de desentendimentos anteriores. Ambas as partes recorreram. A defesa do réu pleiteava sua absolvição e a Promotoria, o aumento do prazo de inabilitação para dirigir, conforme previsão do artigo 92, III, do Código Penal.
Ao julgar o pedido, o desembargador Edison Brandão afirmou que o Conselho de Sentença decidiu com base nas provas apresentadas em plenári…