Pular para o conteúdo principal

60% das indenizações pagas têm envolvimento de motos.

Os motociclistas continuam vilões do trânsito no País, segundo estatísticas recém-divulgadas pela Seguradora Líder, responsável pela administração do seguro obrigatório de veículos automotores. Em 2010, as vítimas envolvidas em acidentes automotivos provocados por motos responderam por mais de 60% das indenizações pagas.

O montante chegou a cerca de R$ 1,377 bilhão do total de R$ 2,296 bilhões desembolsados para cobrir os danos pessoais causados pela violência do trânsito. Os números revelam ainda que a vítima é o próprio motociclista, em 69,1% dos acidentes com veículos de duas rodas.

Os dados da seguradora mostram que as motocicletas lideram também as estatísticas de invalidez permanente e de reembolso de despesas de assistência médico-hospitalar, embora representem apenas 26,4% da frota de veículos nacional.

No ano passado, o seguro registrou mais de 252 mil indenizações pagas no Brasil, sendo que 50.780 relativas a mortes e 151.558 por invalidez permanente, além de 50.013 reembolsos de despesas médico-hospitalares.

Em valores, as indenizações de 2010 subiram 12,9% sobre 2009. Já a receita cresceu 7,5%, para R$ 2,871 bilhões, segundo a Superintendência de Seguros Privados (Susep).

SEM INTERMEDIAÇÃO. Presidente da Seguradora Líder, Ricardo Xavier lembra que o procedimento para o recebimento do seguro pelas vítimas de trânsito é simples e alerta para o fato de que não é necessário intermediário para dar entrada no pedido de indenização. "Ninguém melhor que o próprio cidadão para preservar seus direitos. Há seguradoras em todo o Brasil para receber as vítimas de trânsito," conta.

Comentários

Carlito de Souza disse…
Estes números são um alerta para todos que utilizam motos. O dpvat apesar de sua importância na cobertura das despesas imediatas decorrentes de acidentes no transito, normalmente não é suficiente para que as vítimas de acidentes de trânsito com sequelas permanentes possam levar uma vida digna, sem ficar a mercê do auxilio de parentes ou de programas assistenciais.

Já possível se prevenir a baixo custo dos principais eventos do trânsito, Morte e Invalidez. Temos no mercado, produtos que o cliente pode contratar através da internet no conforto do seu lar e ainda contar com a assistência especializada de um corretor a sua disposição, com capitais segurados de até 100.000,00 o que é praticamente 8 vezes maior que o valor pago pelo Dpvat (13.500,00), em caso de invalidez e ainda inclui serviço de assistência funeral individual ou familiar.

Não basta ter seguro, é preciso que este, esteja dimensionado à realidade econômica das pessoas.

O estado fez a parte dele ao instituir um seguro obrigatório.

Mas é necessário que as pessoas tenham consciência que o Dpvat é um seguro com caráter social, que visa a cobertura das despesas mais imediatas decorrentes de acidentes de trânsito.

Assim, para quem circula de motocicleta, recomendo no mínimo uma cobertura adicional com seguro de acidentes pessoais ( Morte e Invalidez total ou parcial por acidente), isso pode fazer toda a diferença para o segurado ou para sua família.

Em verdade um seguro de acidentes pessoais é o mínimo que qualquer cidadão deveria considerar, afinal quem de nós pode se considerar isento dos riscos inerentes a qualquer atividade humana?

Carlito de Souza
Corretor de Seguros
www.clubeinvestvida.com.br
Blumenau-SC
Obrigada Carlito pela sua colaboração. A suas colocações são muito importantes.

Postagens mais visitadas deste blog

Renúncia por parte do segurado não isenta causador do dano de ressarcir seguradora.

A seguradora tem o direito de ser ressarcida das despesas com o reparo de automóvel segurado, mesmo que a proprietária do veículo tenha assinado e entregue ao causador do dano um documento em que renuncia a qualquer indenização futura relacionada ao acidente de trânsito. 

Esse foi o entendimento da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ao julgar recurso interposto por uma empresa de ônibus, inconformada com a ação de regresso movida contra ela pela seguradora. 
No caso, a proprietária do automóvel segurado envolveu-se em acidente ocasionado por motorista de transporte coletivo. Na ocasião, a dona do veículo firmou documento em que renunciou ao direito de pedir reparação futura. 


Processada pela seguradora, a empresa de ônibus alegou que não haveria possibilidade de ação de regresso, uma vez que a proprietária do veículo segurado renunciara expressamente ao direito de pleitear qualquer indenização contra a transportadora ou contra o condutor do ônibus. 
Sub-rogação legal 
De …

Demora na notificação do sinistro não acarreta perda do seguro de forma automática.

Em decisão unânime, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou o recurso de uma seguradora contra decisão que determinou o pagamento de indenização por roubo de automóvel que só foi comunicado três dias depois.

O caso aconteceu em São Paulo, após o anúncio da venda do carro pela internet. Um assaltante, apresentando-se como interessado no veículo, rendeu o proprietário, anunciou o roubo e fez ameaças de que voltaria para matar a família do vendedor caso ele acionasse a polícia.

De acordo com o processo, o proprietário do veículo, temendo represálias, retirou a família de casa, para só então fazer o boletim de ocorrência do assalto, o que levou três dias. Ao acionar o seguro, entretanto, foi surpreendido com a negativa da indenização.

Para a seguradora, houve a perda do direito à indenização por descumprimento da norma do artigo 771 do Código Civil, que impõe a ciência imediata do fato ao segurador, a fim de que possa tomar as providências cabíveis para minorar as co…

Condenado por atropelamento doloso tem prazo de proibição para dirigir aumentado.

A 4ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve sentença de condenado por homicídio após atropelamento doloso. Na decisão, proferida na última quarta-feira (22), os desembargadores impuseram o aumento do prazo da suspensão de sua habilitação para dirigir veículo automotor, que deverá perdurar pelo mesmo período da condenação. 
De acordo com os autos, o réu foi condenado à pena de 16 anos de reclusão, em regime inicial fechado, além ter sua carteira de habilitação suspensa pelo prazo de 6 meses (nos termos do artigo 293 do Código de Trânsito Brasileiro), por ter atropelado intencionalmente a vítima em razão de desentendimentos anteriores. Ambas as partes recorreram. A defesa do réu pleiteava sua absolvição e a Promotoria, o aumento do prazo de inabilitação para dirigir, conforme previsão do artigo 92, III, do Código Penal.
Ao julgar o pedido, o desembargador Edison Brandão afirmou que o Conselho de Sentença decidiu com base nas provas apresentadas em plenári…