Pular para o conteúdo principal

Reajuste Seguro Obrigatório DPVAT 2011.

Devido ao aumento do número de acidentes que ocorreram durante todo o ano, o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) determinou o reajuste do seguro obrigatório para veículos DPVAT, que deve ser pago em 2011. O seguro que já é previsto em lei desde 1974, é utilizado para pagar indenizações a vítimas de acidentes de trânsito que são causados por veículos motorizados circulantes por terra ou por asfalto.

Para automóveis e utilitários, o reajuste será de 7,83%, dessa forma o valor a ser pago passará de R$ 89,61 para R$ 96,63. O valor final inclui ainda uma taxa de cobrança da apólice ou do bilhete do DPVAT e o Imposto de Operações Financeiras – IOF no valor de R$ 4,15, totalizando um custo de R$ 101,16 para os motoristas da categoria. No caso de motocicletas, ciclomotores, motonetas e triciclos a taxa de aumento será de 7,82%, portanto o valor a ser pago por proprietários de veículos desta classe será R$ 279,27.

Para micro-ônibus e ônibus o reajuste foi ainda maior, sendo cobrado 15,04% a mais o que totalizará em R$ 247,42, incluindo todas as outras tarifas. A categoria de caminhões e caminhonetes passará a pagar R$ 105,68, após o reajuste previsto de 7,82%.

O DPVAT é pago anualmente juntamente com o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), que está diretamente relacionado com o preço e a valorização dos veículos do mercado e com as alíquotas estabelecidas e cobradas pelo órgão responsável. De acordo com o CNSP, o seguro não é aumentado há dois anos, apesar de o número de acidentes estar crescendo cada vez mais, justificando o aumento previsto e já divulgado pelo órgão.

Em alguns estados do país o IPVA será reduzido por conta da redução das taxas incidentes, entretanto o contribuinte não notará esta redução na conta final, uma vez que terá que desembolsar mais para pagar o DPVAT.


Fonte.: http://resumododia.com/reajuste-seguro-obrigatorio-dpvat-2011.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Renúncia por parte do segurado não isenta causador do dano de ressarcir seguradora.

A seguradora tem o direito de ser ressarcida das despesas com o reparo de automóvel segurado, mesmo que a proprietária do veículo tenha assinado e entregue ao causador do dano um documento em que renuncia a qualquer indenização futura relacionada ao acidente de trânsito. 

Esse foi o entendimento da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ao julgar recurso interposto por uma empresa de ônibus, inconformada com a ação de regresso movida contra ela pela seguradora. 
No caso, a proprietária do automóvel segurado envolveu-se em acidente ocasionado por motorista de transporte coletivo. Na ocasião, a dona do veículo firmou documento em que renunciou ao direito de pedir reparação futura. 


Processada pela seguradora, a empresa de ônibus alegou que não haveria possibilidade de ação de regresso, uma vez que a proprietária do veículo segurado renunciara expressamente ao direito de pleitear qualquer indenização contra a transportadora ou contra o condutor do ônibus. 
Sub-rogação legal 
De …

Demora na notificação do sinistro não acarreta perda do seguro de forma automática.

Em decisão unânime, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou o recurso de uma seguradora contra decisão que determinou o pagamento de indenização por roubo de automóvel que só foi comunicado três dias depois.

O caso aconteceu em São Paulo, após o anúncio da venda do carro pela internet. Um assaltante, apresentando-se como interessado no veículo, rendeu o proprietário, anunciou o roubo e fez ameaças de que voltaria para matar a família do vendedor caso ele acionasse a polícia.

De acordo com o processo, o proprietário do veículo, temendo represálias, retirou a família de casa, para só então fazer o boletim de ocorrência do assalto, o que levou três dias. Ao acionar o seguro, entretanto, foi surpreendido com a negativa da indenização.

Para a seguradora, houve a perda do direito à indenização por descumprimento da norma do artigo 771 do Código Civil, que impõe a ciência imediata do fato ao segurador, a fim de que possa tomar as providências cabíveis para minorar as co…

Condenado por atropelamento doloso tem prazo de proibição para dirigir aumentado.

A 4ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve sentença de condenado por homicídio após atropelamento doloso. Na decisão, proferida na última quarta-feira (22), os desembargadores impuseram o aumento do prazo da suspensão de sua habilitação para dirigir veículo automotor, que deverá perdurar pelo mesmo período da condenação. 
De acordo com os autos, o réu foi condenado à pena de 16 anos de reclusão, em regime inicial fechado, além ter sua carteira de habilitação suspensa pelo prazo de 6 meses (nos termos do artigo 293 do Código de Trânsito Brasileiro), por ter atropelado intencionalmente a vítima em razão de desentendimentos anteriores. Ambas as partes recorreram. A defesa do réu pleiteava sua absolvição e a Promotoria, o aumento do prazo de inabilitação para dirigir, conforme previsão do artigo 92, III, do Código Penal.
Ao julgar o pedido, o desembargador Edison Brandão afirmou que o Conselho de Sentença decidiu com base nas provas apresentadas em plenári…