Pular para o conteúdo principal

Maior parte dos seguros não cobre alagamentos.

Moradores e empresários da região de Nova Friburgo, Petrópolis e Teresópolis não devem contar coma indenização de seus seguros para reconstruir parte do patrimônio.

Ainda não há um levantamento preciso sobre a cobertura de seguros na região serrana do Rio de Janeiro, mas as seguradoras afirmam que, ao contrário dos contratos para automóveis, a cobertura para alagamentos e desmoronamentos residenciais ou comerciais é adicional, e deve ser contratada separadamente. "Essas coberturas acessórias têm uma adesão menor por pequenas e médias empresas, pois têm um custo mais alto quando comparado à cobertura patrimonial básica", diz Paulo Umeki, diretor de produtos da Liberty Seguros.

Para indústria e comércio de pequeno e médio porte, perfil da maioria das empresas da região serrana, as seguradoras normalmente fazem pacotes para facilitar a contratação. As apólices variam um pouco, mas as coberturas básicas patrimoniais cobrem incêndio, queda de raios e explosão. "Não são todos os pacotes que disponibilizam cobertura para alagamento, desmoronamento, dano elétrico, vendaval e roubo de bens. Elas normalmente têm que ser negociadas", diz Laur Diuri, diretor executivo de sinistro da Allianz Seguros.

Segundo Umeki, da Liberty, para uma apólice com valor segurado de R$ 300 mil, por exemplo, a cobertura de alagamento custaria, em média, entre R$ 3 mil e R$ 4 mil por ano. "É um valor alto se comparado às demais coberturas, que saem por cerca de R$ 800 por ano." No caso de empresas, são colocados na apólice estoque, máquinas e equipamentos e prédio.

Promessa de agilidade O Sindicato dos Corretores do Rio de Janeiro (Sincor-RJ) está fazendo um levantamento de quantas apólices de pessoas jurídicas há na região serrana, que deve ficar pronto ainda esta semana.

Henrique Brandão, presidente do Sincor-RJ, diz que há acordos com seguradoras para que o pagamento das indenizações seja feito mais rápido para as vítimas da região. "O processo normalmente leva um mês e meio. Estamos negociando para que o pagamento seja feito em 10 dias", diz Brandão.

Em casos de desastres grandes e localizados, as seguradoras enviam peritos para e região e, em alguns casos, facilitam a documentação para agilizar o pagamento. "No caso de veículos vamos indenizar os carros, independentemente de acharmos o veículo, como fizemos em Blumenau", diz Luiz Francisco Campos", diretor de serviços da Liberty. Ele afirma que, em casos de perda total para baixo valor segurado, as indenizações saem mais rápido. Para perdas parciais de valores altos de indenizações, há necessidade de maiores avaliações.
------------------------------------------
Coberturas básicas patrimoniais cobrem apenas incêndio, queda de raios e explosão

http://funenseg.empauta.com/funenseg/index.phpaction=999&data=20110119&cod_noticia=982647763

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Renúncia por parte do segurado não isenta causador do dano de ressarcir seguradora.

A seguradora tem o direito de ser ressarcida das despesas com o reparo de automóvel segurado, mesmo que a proprietária do veículo tenha assinado e entregue ao causador do dano um documento em que renuncia a qualquer indenização futura relacionada ao acidente de trânsito. 

Esse foi o entendimento da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ao julgar recurso interposto por uma empresa de ônibus, inconformada com a ação de regresso movida contra ela pela seguradora. 
No caso, a proprietária do automóvel segurado envolveu-se em acidente ocasionado por motorista de transporte coletivo. Na ocasião, a dona do veículo firmou documento em que renunciou ao direito de pedir reparação futura. 


Processada pela seguradora, a empresa de ônibus alegou que não haveria possibilidade de ação de regresso, uma vez que a proprietária do veículo segurado renunciara expressamente ao direito de pleitear qualquer indenização contra a transportadora ou contra o condutor do ônibus. 
Sub-rogação legal 
De …

Demora na notificação do sinistro não acarreta perda do seguro de forma automática.

Em decisão unânime, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou o recurso de uma seguradora contra decisão que determinou o pagamento de indenização por roubo de automóvel que só foi comunicado três dias depois.

O caso aconteceu em São Paulo, após o anúncio da venda do carro pela internet. Um assaltante, apresentando-se como interessado no veículo, rendeu o proprietário, anunciou o roubo e fez ameaças de que voltaria para matar a família do vendedor caso ele acionasse a polícia.

De acordo com o processo, o proprietário do veículo, temendo represálias, retirou a família de casa, para só então fazer o boletim de ocorrência do assalto, o que levou três dias. Ao acionar o seguro, entretanto, foi surpreendido com a negativa da indenização.

Para a seguradora, houve a perda do direito à indenização por descumprimento da norma do artigo 771 do Código Civil, que impõe a ciência imediata do fato ao segurador, a fim de que possa tomar as providências cabíveis para minorar as co…

Condenado por atropelamento doloso tem prazo de proibição para dirigir aumentado.

A 4ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve sentença de condenado por homicídio após atropelamento doloso. Na decisão, proferida na última quarta-feira (22), os desembargadores impuseram o aumento do prazo da suspensão de sua habilitação para dirigir veículo automotor, que deverá perdurar pelo mesmo período da condenação. 
De acordo com os autos, o réu foi condenado à pena de 16 anos de reclusão, em regime inicial fechado, além ter sua carteira de habilitação suspensa pelo prazo de 6 meses (nos termos do artigo 293 do Código de Trânsito Brasileiro), por ter atropelado intencionalmente a vítima em razão de desentendimentos anteriores. Ambas as partes recorreram. A defesa do réu pleiteava sua absolvição e a Promotoria, o aumento do prazo de inabilitação para dirigir, conforme previsão do artigo 92, III, do Código Penal.
Ao julgar o pedido, o desembargador Edison Brandão afirmou que o Conselho de Sentença decidiu com base nas provas apresentadas em plenári…