Pular para o conteúdo principal

Você sabe dirigir sob neblina ?

Algumas pessoas acreditam que já tem experiência o bastante para enfrentar qualquer tipo de situação no volante, mas é sempre bom lembrar que existem algumas situações raras e perigosas que não esperamos e ficamos sem saber o que fazer quando elas acontecem.

Dirigir sob neblina, por exemplo, é algo que requer muita atenção do motorista. As pessoas acham que diminuir a velocidade e acender o farol alto já resolvem o problema, mas não é bem por aí.

Por isso, o Trânsito + gentil vai dar algumas dicas de como agir quando nos deparamos com aquela névoa branca nas estradas que tapa praticamente toda nossa visão tornando o trajeto bem mais perigoso.

Aqui vão:

- Ligar o farol baixo. Muitos acham que a melhor alternativa é usar o farol alto mas as gotículas de água presentes na neblina acabam refletindo a luz do farol alto, fazendo com que a nossa visibilidade diminua.

- Reduzir a velocidade do veículo. Na hora da neblina todo cuidado é pouco. Diminuir a velocidade em que trafegamos é importante para ganharmos tempo se precisamos frear e diminui o risco de acidentes.

- Evitar freadas bruscas. Além de ser perigoso para quem vem atrás, o chão pode estar escorregadio por causa da umidade e seu carro pode rodar, causando algum acidente mais sério.

- Não ligar o pisca alerta com o carro em movimento. Os outros motoristas podem achar que você está parado e tentar desviar causando acidentes.

- Nunca parar na rodovia. É muito perigoso parar o carro, mesmo que seja no acostamento, enquanto estiver na estrada com neblina. A visibilidade dos outros motoristas é muito baixa, só é possível avistar o outro carro a poucos kms de distância, se o seu carro estiver parado é muito provável que não dê tempo do outro motorista frear quando te ver.

- Sinalizar seus movimentos com antecedência. Fazer isso é importante em qualquer ocasião mas no caso de neblina na estrada é imprescindível para evitar pequenos e grandes acidentes.

- Não ter medo de usar a buzina. Às vezes a buzina pode ser desnecessária mas em caso de neblina ela serve como alerta para pedestres e outros carros que estiverem por perto.

- Manter dois segundos de distância. Mire um ponto fixo e quando o carro da frente passar por ele, conte “cinquenta e um, cinquenta e dois” e passe pelo ponto fixo. Esta distância é segura caso tenha que fazer alguma manobra.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Demora na notificação do sinistro não acarreta perda do seguro de forma automática.

Em decisão unânime, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou o recurso de uma seguradora contra decisão que determinou o pagamento de indenização por roubo de automóvel que só foi comunicado três dias depois.

O caso aconteceu em São Paulo, após o anúncio da venda do carro pela internet. Um assaltante, apresentando-se como interessado no veículo, rendeu o proprietário, anunciou o roubo e fez ameaças de que voltaria para matar a família do vendedor caso ele acionasse a polícia.

De acordo com o processo, o proprietário do veículo, temendo represálias, retirou a família de casa, para só então fazer o boletim de ocorrência do assalto, o que levou três dias. Ao acionar o seguro, entretanto, foi surpreendido com a negativa da indenização.

Para a seguradora, houve a perda do direito à indenização por descumprimento da norma do artigo 771 do Código Civil, que impõe a ciência imediata do fato ao segurador, a fim de que possa tomar as providências cabíveis para minorar as co…

Renúncia por parte do segurado não isenta causador do dano de ressarcir seguradora.

A seguradora tem o direito de ser ressarcida das despesas com o reparo de automóvel segurado, mesmo que a proprietária do veículo tenha assinado e entregue ao causador do dano um documento em que renuncia a qualquer indenização futura relacionada ao acidente de trânsito. 

Esse foi o entendimento da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ao julgar recurso interposto por uma empresa de ônibus, inconformada com a ação de regresso movida contra ela pela seguradora. 
No caso, a proprietária do automóvel segurado envolveu-se em acidente ocasionado por motorista de transporte coletivo. Na ocasião, a dona do veículo firmou documento em que renunciou ao direito de pedir reparação futura. 


Processada pela seguradora, a empresa de ônibus alegou que não haveria possibilidade de ação de regresso, uma vez que a proprietária do veículo segurado renunciara expressamente ao direito de pleitear qualquer indenização contra a transportadora ou contra o condutor do ônibus. 
Sub-rogação legal 
De …

STJ - Imóvel dado em caução judicial pode ser penhorado.

O proprietário que deu seu imóvel em caução judicial, para permitir a execução provisória em processo no qual era credor, não tem legitimidade para opor embargos de terceiro contra a penhora do mesmo bem em outra execução, na qual figura como devedor.  A decisão é da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ao julgar recurso fundamentado no Código de Processo Civil (CPC) de 1973. De acordo com o ministro João Otávio de Noronha, “é possível que sobre bem hipotecado incida nova hipoteca, novos ônus, para garantir novas obrigações, entre as quais a penhora”. 
No caso, o dono do imóvel era credor do Banco General Motors em outro processo, de execução provisória. Para levantar o dinheiro que lhe era devido antes que o processo chegasse ao fim, ele ofereceu o bem imóvel como caução judicial e foi nomeado fiel depositário. 
Na ação que deu origem ao recurso especial, ele era devedor. Em primeira instância, o juiz determinou a penhora de 30% do imóvel (que tinha sido oferecido como …