Pular para o conteúdo principal

Profissional autônomo pode fazer seguro para garantir renda mensal.

Itaú Unibanco lança produto no mercado brasileiro que paga diárias de até R$ 800 em caso de acidente ou doença.

Para o profissional autônomo, deixar de trabalhar um dia é sinônimo de salário menor no fim do mês. A causa da ausência não importa. O ganha pão só depende dele. De olho nesse mercado, o Itaú Unibanco é o primeiro dos grandes bancos brasileiros a lançar um seguro de "renda protegida".

Com contribuições mínimas de R$ 30, os profissionais liberais têm como garantia, além do comum seguro de vida, diárias de R$ 800 (no máximo, de acordo com o plano acertado no contrato). O pagamento só ocorre em caso de acidente ou doença ocorrida com o segurado.

"Desenvolvemos esse produto justamente para proteger ou manter a estabilidade financeira do segurado, pagando diárias de acordo com o valor contratado", diz Luiz Butori, diretor de Pessoa Física da Itaú Seguros.
Interesse. A empresária gaúcha Nilce Maria Bettoni Nobre, de 48 anos, foi uma das primeiras clientes do Itaú Unibanco a aderir ao produto. "Tenho uma relação próxima com meu gerente. Assim que ele me informou que esse produto existia, eu contratei", conta.

Nilce é dona, ao lado de seu marido Manoel, de uma pizzaria e de uma confecção, que produz roupas de cama, mesa e banho, em Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul. Ela é a responsável pela administração da pizzaria e ele, pela confecção. "Não há quem nos substitua, por isso achei esse negócio de pagar diária pela ausência muito interessante", conta.

Em seu caso, a contribuição mensal é de R$ 134 e a diária paga pelo banco, em caso de doença ou acidente, é de quase R$ 600. "Quando cheguei em casa e contei para o meu marido sobre o produto, ele foi ao banco e fez um igual."

Divulgação. Butori afirma que o boca a boca é a principal aposta do banco para a disseminação do produto. "Lançamos há poucas semanas e o volume de adesão é impressionante", conta, mas sem precisar o número de contratos já acertados.

No Brasil, a cultura do seguro ainda é pouco difundida. Basicamente, o produto desta linha que mais tem sucesso é o de automóveis. Para se ter uma ideia do potencial de crescimento, a participação do setor no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro foi de 3% em 2009. Nos Estados Unidos, o volume representou quase 9% das riquezas. Na África do Sul, o segmento foi responsável por 15% do PIB no ano passado.
"Fazer um seguro é uma escolha importante para um bom planejamento financeiro. Ao contratar a melhor opção para seu perfil, o cliente pode se precaver em relação ao risco que impacte mais seu orçamento e sua sustentabilidade financeira", afirma Butori. "É importante, por outro lado, que o segurado observe as condições de contrato e entenda se elas atendem às suas necessidades.

Do total de seguros oferecidos pelo mercado nacional, 35% dos vendidos são para carros; 22% de vida; 20% de saúde; e os outros 23% são pulverizados entre as dezenas de modalidades oferecidas.

Edson Jardim, diretor da consultoria atuarial Triaxes, salienta a importância de se criar a cultura do seguro no Brasil. Segundo ele, a ideia só será disseminada quando houver a consciência da necessidade de proteção dos bens.

"É preciso entender que você paga um pouco pelo seguro para garantir que aquilo será seu por muitos anos e com boa qualidade", considera Jardim.

LUIZ BUTORI- DIRETOR DE PESSOA FÍSICA DA ITAÚ SEGUROS "Desenvolvemos esse produto justamente para proteger ou manter a estabilidade financeira do profissional autônomo, pagando diárias no caso de ausência no trabalho de acordo com o valor contratado




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Demora na notificação do sinistro não acarreta perda do seguro de forma automática.

Em decisão unânime, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou o recurso de uma seguradora contra decisão que determinou o pagamento de indenização por roubo de automóvel que só foi comunicado três dias depois.

O caso aconteceu em São Paulo, após o anúncio da venda do carro pela internet. Um assaltante, apresentando-se como interessado no veículo, rendeu o proprietário, anunciou o roubo e fez ameaças de que voltaria para matar a família do vendedor caso ele acionasse a polícia.

De acordo com o processo, o proprietário do veículo, temendo represálias, retirou a família de casa, para só então fazer o boletim de ocorrência do assalto, o que levou três dias. Ao acionar o seguro, entretanto, foi surpreendido com a negativa da indenização.

Para a seguradora, houve a perda do direito à indenização por descumprimento da norma do artigo 771 do Código Civil, que impõe a ciência imediata do fato ao segurador, a fim de que possa tomar as providências cabíveis para minorar as co…

Renúncia por parte do segurado não isenta causador do dano de ressarcir seguradora.

A seguradora tem o direito de ser ressarcida das despesas com o reparo de automóvel segurado, mesmo que a proprietária do veículo tenha assinado e entregue ao causador do dano um documento em que renuncia a qualquer indenização futura relacionada ao acidente de trânsito. 

Esse foi o entendimento da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ao julgar recurso interposto por uma empresa de ônibus, inconformada com a ação de regresso movida contra ela pela seguradora. 
No caso, a proprietária do automóvel segurado envolveu-se em acidente ocasionado por motorista de transporte coletivo. Na ocasião, a dona do veículo firmou documento em que renunciou ao direito de pedir reparação futura. 


Processada pela seguradora, a empresa de ônibus alegou que não haveria possibilidade de ação de regresso, uma vez que a proprietária do veículo segurado renunciara expressamente ao direito de pleitear qualquer indenização contra a transportadora ou contra o condutor do ônibus. 
Sub-rogação legal 
De …

STJ - Imóvel dado em caução judicial pode ser penhorado.

O proprietário que deu seu imóvel em caução judicial, para permitir a execução provisória em processo no qual era credor, não tem legitimidade para opor embargos de terceiro contra a penhora do mesmo bem em outra execução, na qual figura como devedor.  A decisão é da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ao julgar recurso fundamentado no Código de Processo Civil (CPC) de 1973. De acordo com o ministro João Otávio de Noronha, “é possível que sobre bem hipotecado incida nova hipoteca, novos ônus, para garantir novas obrigações, entre as quais a penhora”. 
No caso, o dono do imóvel era credor do Banco General Motors em outro processo, de execução provisória. Para levantar o dinheiro que lhe era devido antes que o processo chegasse ao fim, ele ofereceu o bem imóvel como caução judicial e foi nomeado fiel depositário. 
Na ação que deu origem ao recurso especial, ele era devedor. Em primeira instância, o juiz determinou a penhora de 30% do imóvel (que tinha sido oferecido como …