Pular para o conteúdo principal

Obrigatoriedade da instalação dos rastreadores em veículos zero quilômetro.

A partir de 2011, os compradores de automóveis zero quilômetro poderão passar a conviver com mais um gasto fixo mensal, além de despesas usuais com combustível, impostos e prestações da compra do carro, entre outras.

A conta a mais virá para quem optar por ativar um dispositivo de bloqueio e rastreamento, que virá instalado, obrigatoriamente, em todos os veículos novos. A regra também valerá para os carros novos importados comercializados no país. O rastreador permite, por exemplo, localizar veículos roubados.

Com a obrigatoriedade, as empresas que ativam esse tipo de equipamento esperam aumentar o peso desse serviço no faturamento. São 330 empresas do setor no país, com receita anual de R$ 1,5 bilhão. Só as oito maiores respondem por 50% do movimento financeiro.

"Vamos concorrer com outras contas mensais, como internet, TV por assinatura e telefone celular, por exemplo", diz o presidente da Sascar, José Ricardo Quintana. Ele estima que o valor da conta para o dono do carro vai ficar entre R$ 29,90 e R$ 50 por mês. O rastreador, por sua vez, poderá custar entre R$ 700 e R$ 800.

A Sascar é uma das maiores empresas do país que ativam o rastreador. Quintana conta que a decisão de ativar o equipamento será tomada pelo comprador do veículo nas concessionárias.

Segundo ele, a Sascar já investiu R$ 6 milhões numa nova plataforma de software para fazer a ativação do equipamento e oferecer serviços além da simples localização de um veículo roubado.

Atualmente 80% do faturamento da Sascar é gerado pelo rastreamento de caminhões. Os 20% restantes vem de outros veículos, incluindo carros de passeio e barcos, por exemplo.

Nos próximos três anos, a expectativa de Quintana é que a fatia da receita proveniente do rastreamento de outros veículos aumente para 35%. "Quem já é proprietário de carro também vai querer o dispositivo", afirma o presidente da Sascar.

A Porto Seguro já instalou o rastreador em 400 mil veículos no país, segundo o diretor da divisão de seguros para automóveis, Marcelo Sebastião. Desse total, 97% são veículos de segurados da empresa, que ganham a instalação como um benefício. Nesse caso, há um desconto para o valor do seguro que depende do perfil do cliente.

"Para a seguradora, o ganho é na recuperação do veículo. Nos veículos com o rastreador, a taxa de recuperação está acima de 65%", afirma Sebastião.

O executivo diz que 3% dos dispositivos instalados pela empresa são de quem não tem seguro da companhia. Nesse caso, o rastreador e a sua ativação são vendidos pela Porto Seguro Proteção e Monitoramento.

O diretor da Porto Seguro Proteção e Monitoramento, José Luis Ferreira da Silva, diz que a venda de rastreadores para não segurados começou há dois anos. Desde então, ele calcula que são instalados, em média, 1 mil rastreadores por mês.

As fabricantes do rastreador no país também têm boas perspectivas com esse novo mercado. O diretor da Quanta, Silvio Cirelli, diz que há potencial para dobrar a sua produção um ano após a entrada em vigor da obrigatoriedade da instalação do dispositivo na montadora.

Atualmente, a Quanta produz 20 mil rastreadores por mês com apenas um turno. Cerca de 70% do faturamento da empresa é gerado pela venda do equipamento para caminhões e 30% vem de outros veículos.

A obrigatoriedade da instalação dos rastreadores na fábrica acontecerá por meio da resolução 245 da Coordenação do Sistema Nacional de Trânsito (Contran), órgão do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), que por sua vez é subordinado ao Ministério das Cidades.

Essa resolução, vinculada à Lei Complementar 121, de 2007, estabelece a proporção de veículos que têm de sair de fábrica com o bloqueador e rastreador. São percentuais que crescem de forma gradual até alcançar 100% .

O ministro das Cidades, Marcio Fortes, afirma que a resolução 245 vai começar a vigorar no dia 1º de maio. De acordo com ele, até o fim do ano que vem todos os veículos que sairão das montadoras terão o rastreador instalado. "A grande vantagem desse equipamento será a queda no preço dos seguros", observa o ministro.

Cirelli, da Quanta, afirma que houve pelo menos quatro prorrogações de data para a resolução entrar em vigor, por causa de dúvidas quanto à tecnologia do equipamento.

O executivo conta que os rastreadores funcionam com tecnologia de telefonia celular GSM. Por isso, têm no seu interior um chip de alguma operadora de telefonia móvel. O objetivo é proporcionar ao consumidor um rastreador que possa usar um chip que se conecte com as 29 operadoras diferentes no país. Isso não estava previsto na resolução inicial. Liminares que contestavam a invasão de privacidade que o novo equipamento pode trazer também atrasaram a entrada em vigor da resolução.

Fonte: Alberto Komatsu - De São Paulo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Condenado por atropelamento doloso tem prazo de proibição para dirigir aumentado.

A 4ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve sentença de condenado por homicídio após atropelamento doloso. Na decisão, proferida na última quarta-feira (22), os desembargadores impuseram o aumento do prazo da suspensão de sua habilitação para dirigir veículo automotor, que deverá perdurar pelo mesmo período da condenação. 
De acordo com os autos, o réu foi condenado à pena de 16 anos de reclusão, em regime inicial fechado, além ter sua carteira de habilitação suspensa pelo prazo de 6 meses (nos termos do artigo 293 do Código de Trânsito Brasileiro), por ter atropelado intencionalmente a vítima em razão de desentendimentos anteriores. Ambas as partes recorreram. A defesa do réu pleiteava sua absolvição e a Promotoria, o aumento do prazo de inabilitação para dirigir, conforme previsão do artigo 92, III, do Código Penal.
Ao julgar o pedido, o desembargador Edison Brandão afirmou que o Conselho de Sentença decidiu com base nas provas apresentadas em plenári…

STJ - Imóvel dado em caução judicial pode ser penhorado.

O proprietário que deu seu imóvel em caução judicial, para permitir a execução provisória em processo no qual era credor, não tem legitimidade para opor embargos de terceiro contra a penhora do mesmo bem em outra execução, na qual figura como devedor.  A decisão é da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ao julgar recurso fundamentado no Código de Processo Civil (CPC) de 1973. De acordo com o ministro João Otávio de Noronha, “é possível que sobre bem hipotecado incida nova hipoteca, novos ônus, para garantir novas obrigações, entre as quais a penhora”. 
No caso, o dono do imóvel era credor do Banco General Motors em outro processo, de execução provisória. Para levantar o dinheiro que lhe era devido antes que o processo chegasse ao fim, ele ofereceu o bem imóvel como caução judicial e foi nomeado fiel depositário. 
Na ação que deu origem ao recurso especial, ele era devedor. Em primeira instância, o juiz determinou a penhora de 30% do imóvel (que tinha sido oferecido como …

Novas súmulas editadas pelo STJ referente a contratos de seguro.

Há tempos que a jurisprudência tem admitido que terceiro prejudicado ajuize ação diretamente contra a seguradora tendo em vista a cláusula de responsabilidade civil facultativa de veículo – RCFV. A cláusula de responsabilidade civil facultativa de veículo resguarda o patrimônio do segurado quando da ocorrência de danos a terceiros, seja dano material, corporal e moral. Vale dizer que, a cobertura do seguro de responsabilidade civil facultativa está restrita ao limite da importância segurada contratada pelo segurado, tendo como cobertura básica danos materiais e danos corporais, a cobertura para danos morais se trata de cláusula adicional e deve ser observada pelo segurado. Contudo, com esse movimento jurisprudencial, ensejou que o terceiro prejudicado demandasse exclusivamente contra a seguradora deixando de demandar contra o segurado. Ocorre que, antes de falarmos em indenização, é requisito contratual do seguro de responsabilidade civil facultativa que a culpa do segu…