Pular para o conteúdo principal

O que fazer se bater o carro ?

Do início do ano até a última quarta-feira, a Superintendência de Trânsito e Transporte de Salvador (Transalvador) havia registrado 735 acidentes nas vias da cidade, desses, 691 com feridos, 36 mortos e oito sem maior gravidade. Segundo o órgão é importante que ao se envolver em qualquer tipo de acidente de trânsito, a pessoa faça o registro em algum dos postos da Transalvador, mas o motorista deve tomar alguns cuidados.

De acordo com o artigo 178 do Código Brasileiro de Trânsito, o condutor que se envolve em acidentes sem vítimas deve tirar o automóvel das vias. “Se não fizer, pode ser multado em R$ 86 e menos quatro pontos na carteira”, explica o gerente de trânsito Janivaldo Rosário. Segundo ele, a medida tem como objetivo não causar congestionamento nas ruas e avenidas.

Em caso de colisão com qualquer tipo de ferido, a pessoa deve - de preferência – registrar o fato na sede da Transalvador, no Vale dos Barris, além de fazer um Boletim de Ocorrência (B.O.) em alguma delegacia. “Pois nestes casos a situação não é mais tratada como acidente, mas sim como crime de trânsito”, alerta Rosário.

Conforme ele, é importante também, que em situações desse tipo seja chamada uma equipe médica para realizar uma avaliação. “É necessário o atendimento médico; apenas ele pode avaliar o grau da lesão”, acrescenta. Os automóveis também são encaminhados para perícia no Departamento de Polícia Técnica (DPT).

Se o outro condutor se evadir do local, é importante que a placa – letras, números e município – seja anotada, além da descrição da via e horário. “Não precisa discutir e muito menos sair em perseguição”, explica o gerente de trânsito. De acordo com ele, estes casos geralmente vão parar no Juizado Especial de Trânsito. “E a primeira audiência é sempre de conciliação e a pessoa deve ter feito três orçamentos. Se conseguir uma testemunha também é importante”, lembra ele.

Quando o outro dá no pé – Depois de se envolver num acidente de trânsito na Avenida Luiz Viana (Paralela), a professora Andréa Santos, 39 anos, levou quase seis meses para fazer o reparo no veículo. “Foi uma batida de leve, mas o outro condutor fugiu. Como não tinha anotado nenhum dado foi mais complicado ainda”, depois de tentar, sem sucesso contato com o outro motorista a professora cansou. “Era como procurar uma agulha no palheiro, paguei a franquia e fiz o conserto”.

Sorte parecida teve o funcionário público Eduardo Mendes, 35 anos. Depois de bater o carro na Avenida D. João VI, ele e o outro motorista conversaram e trocaram telefones. Sem vítimas o registro na Transalvador foi realizado alguns dias depois do fato. “Tudo sem problemas. Fiz os três orçamentos e fui entrar em contato com o outro condutor quando veio a surpresa. O celular não atendia e no número fixo a informação era de que ele teria ido para Barcelona, pois morava lá”.

O funcionário público informou ainda que a pessoa que atendeu a ligação informou que entraria em contato com o responsável e daria um retorno. “Isso já tem mais de seis meses que estou sem resposta. Acho que ele deveria entrar em contato comigo antes de viajar. Não quero entrar na justiça pois é muito demorado, mas parece que não vai ter jeito”, lamenta.

Fonte: Tribuna da Bahia
http://portaldobeiru.com/-noticias/-noticias/783-o-que-fazer-se-bater-o-carro.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Renúncia por parte do segurado não isenta causador do dano de ressarcir seguradora.

A seguradora tem o direito de ser ressarcida das despesas com o reparo de automóvel segurado, mesmo que a proprietária do veículo tenha assinado e entregue ao causador do dano um documento em que renuncia a qualquer indenização futura relacionada ao acidente de trânsito. 

Esse foi o entendimento da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ao julgar recurso interposto por uma empresa de ônibus, inconformada com a ação de regresso movida contra ela pela seguradora. 
No caso, a proprietária do automóvel segurado envolveu-se em acidente ocasionado por motorista de transporte coletivo. Na ocasião, a dona do veículo firmou documento em que renunciou ao direito de pedir reparação futura. 


Processada pela seguradora, a empresa de ônibus alegou que não haveria possibilidade de ação de regresso, uma vez que a proprietária do veículo segurado renunciara expressamente ao direito de pleitear qualquer indenização contra a transportadora ou contra o condutor do ônibus. 
Sub-rogação legal 
De …

Demora na notificação do sinistro não acarreta perda do seguro de forma automática.

Em decisão unânime, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou o recurso de uma seguradora contra decisão que determinou o pagamento de indenização por roubo de automóvel que só foi comunicado três dias depois.

O caso aconteceu em São Paulo, após o anúncio da venda do carro pela internet. Um assaltante, apresentando-se como interessado no veículo, rendeu o proprietário, anunciou o roubo e fez ameaças de que voltaria para matar a família do vendedor caso ele acionasse a polícia.

De acordo com o processo, o proprietário do veículo, temendo represálias, retirou a família de casa, para só então fazer o boletim de ocorrência do assalto, o que levou três dias. Ao acionar o seguro, entretanto, foi surpreendido com a negativa da indenização.

Para a seguradora, houve a perda do direito à indenização por descumprimento da norma do artigo 771 do Código Civil, que impõe a ciência imediata do fato ao segurador, a fim de que possa tomar as providências cabíveis para minorar as co…

Condenado por atropelamento doloso tem prazo de proibição para dirigir aumentado.

A 4ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve sentença de condenado por homicídio após atropelamento doloso. Na decisão, proferida na última quarta-feira (22), os desembargadores impuseram o aumento do prazo da suspensão de sua habilitação para dirigir veículo automotor, que deverá perdurar pelo mesmo período da condenação. 
De acordo com os autos, o réu foi condenado à pena de 16 anos de reclusão, em regime inicial fechado, além ter sua carteira de habilitação suspensa pelo prazo de 6 meses (nos termos do artigo 293 do Código de Trânsito Brasileiro), por ter atropelado intencionalmente a vítima em razão de desentendimentos anteriores. Ambas as partes recorreram. A defesa do réu pleiteava sua absolvição e a Promotoria, o aumento do prazo de inabilitação para dirigir, conforme previsão do artigo 92, III, do Código Penal.
Ao julgar o pedido, o desembargador Edison Brandão afirmou que o Conselho de Sentença decidiu com base nas provas apresentadas em plenári…